quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Steve Jobs

Don't be trapped by dogma, which is living with the results of other people's thinking.


2 comentários:

  1. Comentário postado no Facebook por um amigo da faculdade (Leone Koehne Ribeiro):

    "Pra quem só ouviu falar de Steve Jobs a partir de ontem, saiba que antes do iPhone não existiam telefones realmente multimídia, touchscreen... (ou até existiam, mas esses eram péssimos).

    Se você tem hoje um celular touch, integrado as redes sociais e com internet, mesmo que de outra marca, em muito se deve ao trabalho desse homem que inovou com seus iProdutos e obrigou as concorrentes a correrem atrás e lançarem produtos semelhantes (mas nunca superiores) aos da Apple.

    É muito difícil ver nos dias de hoje pessoas com tanta visão do futuro. Entre as leituras dessa triste noite, me deparei com um fato interessante. Jobs não acreditava que as pessoas pudessem indicar qual produto faria sucesso, de modo que ele afirma que nunca fez pesquisa de mercado para lançar seus produtos.

    Sua justificativa foi que se Henry Ford fosse perguntar o que as pessoas queriam ter àquela época, elas responderiam que queriam um cavalo melhor. Henry Ford não fez o que as pessoas queriam, fez o que elas precisavam (e não sabiam que precisavam).

    Grande parte do talento de Jobs foi exatamente esse. Ter a sensibilidade de perceber o que as pessoas precisam antes mesmo delas precisarem.

    O interessante que a maioria dos "inventos" da Apple não são de fato inventos originais.

    Explico: Jobs não inventou o PC, nem o mp3 player e muito menos o celular (nem o tablet). Ele apenas fez o melhor de cada um desses. Ele fez o melhor computador, fez o melhor mp3 player e fez o melhor telefone já inventado até o momento. Já existiam tablets antes do iPad, mas eram péssimos também.

    Inovar não necessariamente significa fazer algo inédito, mas também pode significar fazer algo inédito com o que já existe. E foi feito!

    Fiquei muito triste com a morte de uma das figuras que eu mais admirava, sou dono de alguns produtos com a maçanzinha pendurada e convenci alguns amigos a usarem esses produtos, pois virei fã automaticamente.

    O que sei é que para mim fica a sensação de que a Apple vai perder a aura da inovação após perder seu gênio criativo. Vai se tornar mais uma Samsung ou LG...

    Partiu cedo Steve Jobs.
    Partiu sem deixar sucessor.
    Descanse em paz, pois esse mundo já aproveitou demais de seu talento."

    Leone Koehne Ribeiro

    ResponderExcluir
  2. O Steve era a o super-herói da tecnologia. O resto é left over. Me sinto assim um tanto sem chão. Só que tem um Macbook pra entender. É como se tivesse presenciando a morte do super-homem. Vamos ver o que virá então. A Apple atualmente tem o dom de fazer com que seus usuários fiquem felizes ao mexer nos seus gadgets. E isso é viciante. Eu comecei com um Macbook, fui pro iPhone, e só não tenho o iPad por que sou canguinha.
    Uma vez, um amigo meu do NIH me disse o seguinte: "Nós hoje não conhecemos nenhum imunologista de grande sucesso que use PC.". Apesar de ser imunologista, não conheço tantos assim para comprovar. Mas eu não duvido nada.

    ResponderExcluir