quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Revisão Metodológica: Incidence Rate, Hazard Ratio


Para exemplificar esta questão utilizaremos o ensaio clínico JUPITER, que randomizou pacientes para uso de rosuvastatina ou placebo, mostrando que a droga reduz eventos cardiovasculares em pacientes de risco intermediário, com LDL “normal”. Observem a frase que mostra o resultado principal deste estudo: The rates of the primary end point were 0.77 and 1.36 per 100 person-years of follow-up in the rosuvastatin and placebo groups, respectively (hazard ratio for rosuvastatin, 0.56; 95% confidence interval [CI], 0.46 to 0.69).

À primeira vista esta frase nos parece estranha, pois normalmente os ensaios clínicos relatam a incidência simples de eventos, que é representada por uma fração para cada grupo. Por exemplo, no estudo JUPITER seria droga 1.6% vs. placebo 2.8% - mais intuitivo para compreender. No entanto, a forma utilizada pelo estudo é a taxa de incidência (incidence rate), que descreve o número de eventos dividido por unidades de tempo. Ou seja, ao invés de relatar o número de eventos/número de pessoas em cada grupo, os autores relatam o número de eventos/número de unidades de tempo de acompanhamento. O denominador da taxa de incidência é o número de pessoas-ano. Se um estudo tem 5 pessoas e cada pessoa foi acompanhada por 10 anos, no denominador será 50 pessoas-ano, ao invés de 5 pessoas.

A vantagem desta metodologia é levar em conta não só o número de pessoas, mas também o tempo que cada um foi acompanhado. Esta técnica é mais útil quando não há uniformidade de tempo de acompanhamento entre os pacientes. E foi justamente isso que ocorreu no estudo JUPITER, pois este foi interrompido precocemente e muitos pacientes não tinham sido acompanhados o tempo inicialmente planejado.

Hipoteticamente, se no grupo placebo os pacientes tivessem sido acompanhados por mais tempo do que no grupo droga, a incidência simples de eventos no primeiro poderia ser maior simplesmente porque os pacientes ficaram expostos mais tempo. Porém se o resultado é relatado em taxa de incidência, se previne este potencial viés.

A taxa de incidência é também chamada de hazard. O hazard do grupo droga dividido pelo hazard do grupo placebo resulta aproximadamente no hazard ratio, medida que estamos acostumados a ler nos ensaios clínicos, cuja interpretação é parecida com o risco relativo, só que leva em conta o tempo que cada paciente foi acompanhado.

Agora fica mais fácil para entender o que os autores do JUPITER quiseram dizer com 0.77 and 1.36 per 100 person-years of follow-up. Só mais um detalhe: ao invés de usar per person-years, eles usaram per 100 person-years - da mesma forma que se usa percentual (a cada 100 pessoas).

8 comentários:

  1. Nossa, nunca tinha entendido isto tão facilmente. Parabéns pela didática!

    ResponderExcluir
  2. Prezado Luiz Cláudio.
    Nos estudos randomizados ("trials") sobre stents e Cirurgia de Revascularização, muitos artigos comentam sobre o HR. Ex. pacientes acima de 65 anos (HR 0,82, 95% Cl:0,70, 0,97) tem mortalidade menor com cirurgia RVM que o grupo stent.
    Como interpretar o HR?
    Grato Roberto Carvalho rcarvalho62@uol.com.br

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pela forma concisa e prática para esclarecer um tema tão espinhoso!

    ResponderExcluir
  4. Parabéns pela didática! Ótima explicação!

    ResponderExcluir
  5. De fato, parabéns pela didática! Obrigado pela explicação!

    ResponderExcluir
  6. Muito bom!
    De forma simples e enxuta me fez ter uma boa ideia.
    Obrigado.
    Marcelo

    ResponderExcluir
  7. Realmente, explicação objetiva e didática.

    ResponderExcluir
  8. Camila Kruschewsky31 de agosto de 2016 17:32

    Doutor! Fui sua aluna na EBMSP e agora sou residente de clinica médica da USP... E aqui estou eu de volta aos seus materiais estudando-os. Muito bacana sentir que você continua sendo uma das minhas melhores referências de estudo. Obrigada!

    ResponderExcluir