quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

Homeopatia e a Medicina Baseada em Ciência

Homeopatia é um fenômeno da medicina. A quantidade de adeptos à homeopatia é fenomenal, considerando que (1) seu mecanismo é totalmente desprovido de plausibilidade científica e (2) não há evidência científica comprovando sua eficácia. Plausibilidade não é uma condição suficiente para provar eficácia, mas normalmente o que é eficaz é plausível. Por isso que plausibilidade biológica é um dos critérios de causalidade de Hill. Então vamos analisar a plausibilidade do mecanismo de ação da homeopatia: primeira regra, semelhante cura semelhante (homeo). Para curar um problema, nós precisamos administrar uma substância que cause este mesmo problema. Segunda regra, antes de administrar nós devemos diluir tanto essa substância que não sobre nenhuma molécula na solução. Desta forma, a solução terá um efeito curativo e quanto mais diluído, melhor. À luz da ciência do século XXI ou até mesmo do paradigma científico não determinístico, isso é plausível? Claro que não. Mas de onde veio uma idéia tão estranha. Dá para explicar, essa idéia foi criada pelo médico alemão Samuel Hahnemann em 1796, época em que a medicina parecia mais uma fábrica de horrores. Fazer nada muitas vezes era melhor do que as terapias propostas na época. E como disse o historiador Richard Gordon, “A história da medicina é, em grande parte, a substituição da ignorância por mentiras.”
E quanto às evidências de ensaios clínicos? Nós sabemos que há ensaios clínicos para todos os resultados. Inclusive essa é uma boa área para encontrar exemplos didáticos sobre vieses científicos. Isso ficou bem exemplificado na meta-análise publicada no Lancet em 2005 (Lancet 2005;366:726-32): dentre 110 estudos sobre homeopatia, apenas oito foram considerados de alta qualidade científica. Claro, a meta-análise destes oito estudos não mostrou efeito terapêutico da homeopatia. Inclusive, este estudo mostrou que quanto pior a qualidade do estudo, mas positivo o efeito terapêutico da homeopatia.
Neste caso, estou do lado da indústria farmacêutica. É uma injustiça. Depois de anos e milhões de dólares de investimento em uma molécula, sabemos que boa parte dos ensaios clínicos não comprova o benefício esperado e tudo cai por terra. Por outro lado, os homeopatas não precisam demonstrar nada, nem mesmo criar novas moléculas. É como ter um passaporte para fazer o que quiser. Que privilégio.
Mas tudo tem um lado bom, inclusive homeopatia. Assim com tem um lado muito bom acreditar em Papai Noel, sem ironia. É a magia do mundo encantado. O efeito placebo pode ser terapêutico e acredito ser uma forma de terapia válida se resolver o problema do paciente. Há casos em que o efeito placebo é realmente efetivo, como terapia de dor crônica, por exemplo.
Além disso, precisamos refletir que a medicina complementar oferece uma abordagem mais holística, onde o médico provavelmente está mais atendo à alma do seu paciente, conversa um pouco mais, talvez olhe mais nos olhos de seu paciente. Este é um aspecto positivo da medicina complementar, com a qual nós médicos cartesianos precisamos aprender.
Mas dizer que homeopatia tem efeito biológico, sem demonstrar isso de forma científica é extrapolar. Isso é ser anticientífico, mesmo que a gente tente estender nosso pensamento para um paradigma menos cartesiano que o habitual.
Resolvi transmitir um pouco da minha visão sobre esta popular terapia complementar, pois hoje recebi um filme muito interessante de nossa colega Denise Matias. É um filme do programa de comédia inglês That Mitchell and Webb. Como toda sátira, é exagerado, mas com fundo de verdade. Não deixem de ver, dura apenas dois minutos.
video

13 comentários:

  1. Descobri recentemente que a AMB e o CFM efetivamente reconhecem a Homeopatia como especialidade médica, tendo sido criado cursos de Residência Médica nesta área.

    A OMS já reconhece este tema como especialidade médica já há mais tempo.

    Gostaria de entender por quais caminhos e por quais justificativas a Homeopatia conseguiu alcançar este patamar na área médica...

    ResponderExcluir
  2. Costumo dizer que não discuto fisica atomica pelo fato de não ter formação nesta area.Então entendo não estar qualificado tecnicamente para tanto,pois o meu conhecimento neste assunto se resume a eletrons giram em torno de um nucleo com protons e neutrons,ou seja uma pobreza.Os medicos ,em sua grande maioria,não estão gabaritados para discutir sobre a homeopatia ,pela mesma propositura.Ou seja eles não tem formação alguma sobre o assunto e a informação que possuem se assemelham ao meu conhecimento de fisica nuclear .Para se discutir com propriedade devem, nossos colegas, se proporem a estudar,pesquisar e tambem praticar a homeopatia para somente apos fazerem alguma critica consubistanciada e efitar o lugar comum dos nescios ao assunto deque se trata de tão somente placebo.Cabe ressaltar e para finalizar que o ultimo medico que estudou profundamente a homeopatica com o intuito de destrui-la chamava-se Hering e se transformou em um dos maiors hoemopatas que a humanidade conheceu.Peço a gentileza aos colegas medicos que tenha a humildade assumir a ignorancia em asuntos homeopaticosantes de tecerem quaisquer comentarios.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Em quantas UTIs você já utilizou homeopatia? Para sepse? para TCE grave? para qual doença especificamente onde o efeito leva imediatamente a um ou outro desfecho. Até respeito e acho que tem seu lugar, mas preciso ser melhor convencido sobre seu real efeito terapêutico.

      Excluir
  3. "Um corpo pode estar em dois lugares ao mesmo tempo" .Seria plausivel esta afirmação? Os mais desavisados diriam que não.Mas os mais sabios perguntariam antes,em que universo? Se for no quantico a resposta seria sim.Então uma questão pode ser falsa em um determinado paradigma que se propoem discutir e pode ,ou mesmo sera',verdadeira em outro paradigma.Isto se encaixa na questão da Homeopatia em uma medicina baseada em evidencia,quando colocada a prova em um universo de pesquisas para substancias quimicas ela podera' ser mal interpretada como sendo placebo, mas isto não significa em absoluto que não funcione,apenas os metodos para observa-la não estão adequados e ponto.Foge de qualquer bom senso ou mesmo para quaisquer mente minimamente iluminada que algo que não funcione ou seja um engodo perdure por mais de 200 anos como instrumento terapeutico e ainda aumente progressivamente e exponencialmente o numero de adeptos.Seria como dizer que os metodos barbaros da medicina do passado,como as sangrias,as trepanações e os unguentos fossem amplamente difundidads em nosso meio. Como diz um velho e sabio ditado popular "a mentira tem pernas curtas" ,pois pernas fracas não andariam por 200 anos.Para concluir e voltando ao ambito das evidencias cientificas,o acido acetil salicilico descoberto ha decadas foi usado e ainda o e',mas durantes quase todo este tempo não se sabia o seu mecanismo de ação,apenas sabia-se que funcionava.A hoemopatia para que realmente conhece e tem maestria em seu uso sabe que funciona e não e' placebo.Arvores e cachorros não se deixam sugestionar e no entanto são curados pela mesma.

    ResponderExcluir
  4. Apesar da eficácia do efeito placebo, em alguns casos, ser bem conhecida, não devíamos validar procedimentos que, apesar de apresentarem o efeito, usam-se de explicações alternativas para o mesmo. Como é o caso da homeopatia.
    É uma vergonha que no Brasil se reconheça a homeopatia como "especialidade médica", quando foge completamente do escopo da evidência científica.

    ResponderExcluir
  5. Esqueceram também de falar que a homeopatia pode guardar a memória do esgoto pelo que ela passou. Daqui a 100 anos as pessoas vão olhar para nós e vão dizer que eramos incrivelmente estúpidos de continuar usando homeopatia na era da ciência...

    ResponderExcluir
  6. Caro colegas o pior cego é o que não vê, existem milhões de adeptos da homeopatia que se beneficiam desse tratamento há mais de 200 anos, para mim isso por si só já é uma evidencia cientifica. Contudo a alopatia se desenvolveu muito nos ultimos tempos, e não se pode desconsiderar esse tratamento com alopatia. Acho que devemos respeitar as pessoas acima de tudo, se dá certo com algumas pessoas adeptas a homeopatia, porque essa disputa acho que se faz bem até xixi é valido. Vamos repensar a forma que criticamos nossos colegas de profissão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pedir evidências virou ofensa agora então? Me poupe!

      "existem milhões de adeptos da homeopatia que se beneficiam desse tratamento"

      Assim como existem adeptos de toda sorte de crença que "creem" que são beneficiados há não sei quantos anos. Assim como as crianças sao beneficidas pelo papai noel ao fim do ano.

      Excluir
  7. "Farmacia unida", como você decide o que é bom e o que não é bom??

    ResponderExcluir
  8. O grande problema é que a medicina cientifica, é pior do que uma ditadura, em que tem evidencias cientificas hoje que amanha são mentira. Se a medicina chamada cientifica tem tantos testes confirmados, porque motivo falha tanto? Porque é que essa teoria não funciona com toda a gente, se está provado! Enfim eu percebo porque se ataca a homeopatia, porque tem resultados que a medicina cientifica não consegue resolver, e porque a maoir mafia a nivel Muidia se chama Industria farmaceutica, que provoca a cura, mas que tb mata.Existem milhoes de pessoas por todo Mundo a tratarem-se com Homeopatia, mas para os senhores da sabedoria isto é tudo placebo. Expliquem quantos anos estiveram para provar como funciona a aspirina ( mas mesmo assim medicavam-na), e como actuam os antidepressivos?Já agora gostaria de saber como funciona as células dendriticas que tanto criticam e tantos colegas vossos têm sido salvos por elas. Vão mas é estudar e deixem-se de teorias e passem á pratica.

    ResponderExcluir
  9. Os Senhores da sabedoria devem ser os homeopatas, que arrogam conhecimento sem evidência. Jogam fora testes estatísticos e preferem sua intuição largamente enviezada por anos de ideologia.

    ResponderExcluir
  10. Senhor Anônimo.
    Que evidência científica que "amanhã será mentira"?
    Quando citas a aspirina, certamente nos demonstra que nada sabe de medicina baseada em evidências, de seus métodos e limitações.

    ResponderExcluir